UM MÉTODO HISTÓRICO & UMA PRÁTICA PSICOTERÁPICA

05/08/2012 - A partir de uma vivência clínica de mais de 12 anos, utilizando um método terapêutico baseado na recapitulação sistematizada da história do cliente, o autor apresenta, no presente trabalho, uma comparação desta metodologia clínica com o método histórico, que alguns historiadores, e, em particular Paul Veyne, utilizam. Com isso, tenta mostrar uma possível correlação entre esses dois saberes.
(1252 vizualizações)

I- INTRODUÇÃO   

 

Na prática clínica, a história do cliente é fundamental para que o profissional

atue. Seria quase impossível, para a maioria das abordagens terapêuticas, um

estudo de caso, um tratamento psicoterápico sem se fazer um "histórico".   

Por outro lado, a maneira de se fazer o levantamento dessa história costuma

seguir a mesma metodologia que norteia o que se poderia chamar de história

tradicional e é baseada no acúmulo de fatos, de fragmentos de vivências

daquela pessoa.   

O objetivo desse "inventário", quase sempre, é se obterem muitas informações,

para, no fim, se chegar a um diagnóstico, a uma explicação, a uma causa que

poderia justificar o comportamento inadequado do paciente.   

No meu trabalho clínico, tenho tentado, desde 1984, utilizar essa história de

modo diferente e, quando tive aulas sobre metodologia, no curso de pós-

graduação da UFF, em 1994, e sobre estratégias clínicas em instituições

públicas, surpreendi-me ao perceber que venho desenvolvendo um método de

trabalho que utiliza a história do cliente, de modo muito parecido com o que se

denomina, atualmente, de Nova História. Uma novidade para mim.  

É sobre essa história e sobre o meu método que pretendo falar no presente

trabalho.  

 

II - A NOVA HISTÓRIA   

Inicialmente, falarei um pouco sobre essa "Nova História". Ela é:   

(...) a história associada à chamada École des Annales,

agrupada em torno da revista Annales: économies, societés,

civilisations (BURKE, 1992, p. 9).  

Uma de suas características é o interesse por todas as atividades humanas.   

 

(LEIA O TEXTO COMPLETO ACESSANDO :

http://www.epimeleia-argentina.org/biblioteca.php

LOCALIZE O ARTIGO POR:  Belas, José Luiz - Brasil

COMENTE



Nome:


E-mail:


Copyright © 2008 J.L.Belas - Todos os direitos reservados.